Blog de viagens escrito por Luísa e Marcelo Colombo. Roteiros de viagem, planejamento e notícias para inspirar e facilitar a viagem dos seus sonhos. 

Caso tenha dúvidas sobre como viajar, queira trabalhar em conjunto, ou simplesmente para dar um Olá, nos mande um e-mail. 

     

faleconosco@dizquefuiporai.com

Dicas básicas para sua viagem pelo Sudeste Asiático

7 May 2017

Mochilar pelo Sudeste Asiático vale a pena! Essa é uma certeza que você pode ter. Marcelo e eu, em 2013, decidimos que estava na nossa hora, e decidimos iniciar o planejamento. E o destino, como quem não quer nada, deu uma forcinha, e colocou uma super promoção de passagens para Bangcoc no nosso caminho, logo na semana seguinte!! Aham!!!! Assim mesmo!

Pagoda em Siem Reap, Camboja.

 

 

E como nós somos desses que não rejeitamos uma promoção de passagens, embarcamos rumo ao Sudeste Asiático no dia primeiro de maio de 2014. E te digo, foi certamente uma das melhores viagens da nossa vida!

 

 

Mas uma viagem para o Sudeste Asiático pode requerer mais atenção na hora do planejamento, devido as grandes diferenças culturais, então, vamos conversar um pouco sobre algumas dicas básicas para ajudar a galera que está pensando em ir para lá!

 

 

 

Importante: nosso roteiro foi pela Tailândia, Vietnã e Camboja, e portanto, tenha isso em mente sobre as nossas dicas. Esperamos visitar os outros países do sudeste asiático em breve. 

 

 

Quando ir: 


Há basicamente duas estações no sudeste asiático - a estação seca e quente, entre os meses de novembro a abril, e a estação molhada e quente, de maio a outubro. Ou seja, se você é morador dos trópicos, não sentirá tanta diferença, mas para quem não é, fica a dica. Os meses de novembro-abril são os que atraem as maiores turistas, por não serem os meses mais quentes da região, e normalmente, as passagens são mais caras. Nós fomos em maio, que teoricamente é o início da época de chuvas, e ficamos um pouco receosos de pegar dias ruins, mas foi super tranquilo. Nesse mês, por ainda ser o começo ainda da época molhada, pegamos basicamente aquelas famosas chuvas de verão ao fim da tarde depois de um lindo dia, que em nada atrapalharam a nossa viagem.

 

Parque em Hanói, capital do Vietnã. 

 

 

Hospedagem: 

 

Durante a nossa viagem, nós ficamos em hostels, hotéis simples e alguns budget resorts, que serão hotéis simples à beira da praia, principalmente nas ilhas tailandesas. Em média, uma cama em hostel pode ser tão barato quanto 10 dólares, 20 dólares em um quarto privado no hostel ou hotel simples, e pagamos por volta de 25 dólares em um bangalô, com varandinha, em um budget resort. Nos países que fomos, o Camboja certamente é o país mais barato em preços de hospedagem, e o Vietnã o mais caro. Mas no geral, hospedagem no sudeste asiático não é cara, mesmo! 

 

Nosso budget resort - Hotel By Beach, em Koh Samui

 

 

Transporte: 

 

Para nos locomover entre os destinos durante a viagem, escolhemos viajar de avião, para economizar tempo, visto que tínhamos apenas 26 dias para muitas cidades. Nós acabamos viajando mais pela Air Asia, que é uma companhia aérea low-cost, que nos oferecia as melhores tarifas nos destinos que procurávamos. Então, caso essa seja a sua escolha, lembre-se da regra geral das empresas low-cost: vale a pena viajar por elas, caso você não leve muita bagagem, pois despachar malas acaba encarecendo a tarifa. No geral, gostamos muito de usar a Air-Asia, que teve um bom atendimento e aeronaves novas. 

 

Além do avião, talvez o jeito mais barato de viajar pelo sudeste asiático seja de ônibus, onde realmente as tarifas são muito baratas. No entanto, como os destinos não são tão perto assim, levando em média 6 a 8 horas entre os destinos. Além do mais, as estradas não são as mais cuidadas, o que é um ponto negativo. 

 

 

Na Tailândia, para viajar entre as ilhas tailandesas o ideal é o usso das Ferrys, que nada mais são do que Barcas (para quem mora no Rio, são tipo as barcas que fazem o trajeto Rio-Niterói), inclusive com áreas com ar-condicionado, e outras com transporte para veículos também. Agora, uma dica bacana é: se você vai fazer esse roteiro, pulando de ilha em ilha, vá de mochila. Foram as tantas as pessoas que vi puxando uma mala gigante, e passando perrengue, já que nas ilhas, nem sempre o transporte é fácil, que essa é uma das melhores dicas. 

 

Ruas de Hanói, capital do Vietnã

 

O intenso uso da motocicleta é uma das coisas que você vai logo perceber quando chegar no Sudeste Asiático, e muita gente elege a moto como o meio de transporte oficial da viagem. Se você já possuir uma moto, é uma super ideia! Vai te dar a liberdade que você precisa para chegar aos locais, sem depender o transporte público, e o preço do aluguel chega a 1 dólar por dia em várias ilhas da Tailândia, o que ser um ponto super positivo no seu orçamento. Mas se esse não é o seu caso, não alugue uma moto. A quantidade de turistas seriamente machucados que vimos durante a viagem foi chocante, e todos foram por acidentes de moto. Então, fica a dica! 

 

Alimentação: 

 

Uma das coisas que eu estava mais animada para conhecer no sudeste asiático era a comida! E sinceramente podemos dizer hoje que voltamos de lá realmente apaixonados pela culinária local, apaixonados igualmente pelas maravilhas que descobrimos nesses 3 países. A culinária local é rica em temperos e sabores, e não tem como não comer bem nesses locais, se você simplesmente se abrir às novas experiências. 

 

Comida de rua em Koh Samui, Tailândia.

 

A dica mais válida que podemos dar é: Não temam a comida de rua! Alguns itens podem ser um pouco ousado para paladares mais conservadores, mas vale muito a pena experimentar! No entanto, mantenha algumas dicas básicas como escolher comer em locais com mais gente, pois isso garante maior rotatividade da comida, tendo a certeza que ela estará mais fresca.

 

Mas importante: não entrem na cilada que são as barracas com insetos no espeto. Ninguém come aquilo de verdade, e é realmente feito para turistas exibidos. 

 

Segurança:

 

Em geral, nós nos sentimos bastante seguros no sudeste asiático, acho que principalmente porque moramos no Brasil, né minha gente! Mas é importante ficar atentos aos furtos as bolsas e eletrônicos, principalmente em cidades grandes como Ho Chi Minh e Bangcoc, e obviamente não deixar bolsas penduradas em cadeiras, durante as refeições, e tal.

 

Em geral, o crime violento contra estrangeiros permanece raro, mas use seu bom senso quando sair à noite. Em todos os locais, contamos com muita gente legal e disposta a nos ajudar, então sempre perguntávamos se era seguro andar por aquelas bandas sozinhos ou a noite, e foi muito tranquilo. 

 

 

Passeio de barco em Ko Phi Phi, Tailândia

 

Vacinação: 


A única vacina exigida para viajar ao Sudeste Asiático, sendo proveniente do Brasil, era a de Febre Amarela. Para entrar na Tailândia, que normalmente é por onde os viajantes chegam ao Sudeste Asiático, não tem choro nem chorumela. Sem o certificado internacional da vacina, não entra. No aeroporto de Bangcoc, nós vimos um brasileiro, que não sabemos exatamente o que tinha acontecido, mas ele foi para lá sem saber que tinha que tomar a vacina, e não terminou bem essa história.

 

Nós tomamos a vacina com alguma antecedência da viagem, e já procuramos tomar no posto de saúde que emitia o certificado internacional, pois não são todos, para facilitar a vida. Caso você já tenha tomado a vacina, é necessário levar a sua carteira de vacinação ao posto e providenciar o certificado. Fique tranquilo, que é super rápido e prático. 

 

Visto: 

 

A Tailândia não exige visto para brasileiros. No Camboja, eles fazem o Visa on Arrival, onde você preenche um formulário, leva uma foto 3x4 e paga uma pequena taxa de 20 dólares, ali mesmo no desembarque. Nós entramos no Camboja pelo aeroporto de Siem Reap, e todo o processo não demorou mais do que 30 minutos. Para o Vietnã, há vários sites que emitem a carta-convite para solicitação de visto, e com isso, você também poderá fazer o visa on arrival. O processo no Vietnã foi um pouco mais demorado que o do Camboja, mas não tivemos qualquer problema. 

 

Templos do Angkor Wat, Camboja.

Comportamento: 

 

É difícil generalizar sobre uma região inteira em relação as normas culturais e comportamento. Portanto, é importante entender o que fazer e o que não fazer de cada destino que você está visitando. Em geral, com exceção das ilhas tailandesas, que são mais turísticas e mais acostumadas com esse movimento todo, o sudeste asiático é conservador. Então, não aconselhamos a abraçar seu namorado(a) em público, e muito menos beijar. As pessoas ficam olhando, e não é bacana. Ainda, (novamente, fora das praias tailandesas) não use roupas curtas e evite blusas cavadas. Para os homens, sem problemas usar shorts para entrar nos templos ou pagodas, mas para as mulheres, saias longas e ombros cobertos sempre! Mas, tomando esses cuidados, é tudo muito tranquilo. 

 

Então, está pronto para sua viagem ao Sudeste Asiático?

 

 

Please reload

+Histórias
Please reload

Nossas Categorias
Please reload

inscreva-se na nossa newsletter

Não quer perder nenhuma dica? Então inscreva-se na nossa newsletter!

Ah, nós também odiamos spam.