Blog de viagens escrito por Luísa e Marcelo Colombo. Roteiros de viagem, planejamento e notícias para inspirar e facilitar a viagem dos seus sonhos. 

Caso tenha dúvidas sobre como viajar, queira trabalhar em conjunto, ou simplesmente para dar um Olá, nos mande um e-mail. 

     

faleconosco@dizquefuiporai.com

Um passeio pelo Angkor Wat, no Camboja

7 Jul 2016

Angkor Wat é um complexo de templos no Camboja e um dos tesouros arqueológicos mais importantes do mundo. Considerado o maior monumento religioso do mundo. tornou-se símbolo do Camboja, aparecendo em sua bandeira e sendo sua principal atração turística

 

Parque Arqueológico de Angkor é um dos sítios arqueológicos mais importantes no Sudeste da Ásia, e hoje é um dos destinos mais visitados no mundo, sendo declarado pela UNESCO, em 1992, como Patrimônio da humanidade. 

 

Ele se estende por cerca de 400 quilômetros quadrados, incluindo a área de floresta, contendo as magníficas ruínas do Império Khmer, que uma vez governou a maior parte do Sudeste Asiático. construídas a partir do século 9 ao século 15. Esta civilização foi extinta mas não antes de construir templos incríveis que foram mantidos na selva durante centenas de anos. Foi originalmente construído como um templo hindu para o Império Khmer, transformando-se gradualmente em um templo budista em direção ao final do século 12 .

 

Parque Arqueológico de Angkor inclui o famoso templo de Angkor Wat, o Angkor Thom, o Templo de Bayon Preah Khan e Ta Prohm, que ficou super famoso depois das filmagens da Angelina Jolie no filme Lara Croft. Embora este lugar seja repleto de turistas durante os horários de visitação, certamente é de tirar o fôlego. 

 

Entre as esculturas destaca-se a abundância de figuras femininas, sendo chamadas por muitos de apsarás, ou seja, dançarinas celestiais. As apsarás (foto acima) são figuras mitológicas hindus e budistas que correspondem a espíritos femininos das nuvens e das águas. Há representações de apsarás em todos os templos que fomos, cada uma de forma diferente, e confesso que fiquei completamente apaixonada por elas. 

 

 

Quando?

 

O complexo abre às 5:00 e fecha às 17:00. Caso você compre o passe um dia antes, depois das 17:00, é possível entrar grátis nos templos entre às 17h e 18h. 

 

Nós fomos em maio, na chamada época quente do Sudeste Asiático, e é realmente quente, de verdade, verdadeira. Então, na visita ao Angkor Wat, sugiro ir bem cedo mesmo para aproveitar o clima mais ameno e poder visitar os templos numa boa. 

 

Quanto custa?

 

Os ingressos  para visitar o Angkor Wat devem ser comprados diretamente na entrada do parque. Em maio de 2014, quando fomos, os valores eram os seguintes: passe de 1 dia: US$ 20; passe para 3 dias: US$ 40, ou o passe para 7 dias: US$ 60. 

 

Na nossa experiência, um dia apenas foi necessário, porque é um passeio bem cansativo. Mas acho que é legal também ter o vale de 3 dias para poder voltar de outras formas, como em de bicicleta já ao final da tarde, que seria uma grande passeio.

 

Como visitar?

 

É importante saber que o Angkor Wat é realmente grande e a distância entre os templos não é pequena, e andar de um templo ao outro com o sol lá em cima, pode ser bem complicado. A forma mais prática de visitar o Angkor Wat é reservar um tuk tuk pelo dia, que te levará até parque, além de andar com vocês pelos monumentos e explicando bastante coisa. 

Nós reservamos o nosso motorista, o Chea, na recepção do nosso hotel, e não poderíamos ficar mais felizes com ele. Extremamente simpático e solícito, Chea foi o nosso melhor companheiro. Sempre que saíamos de um dos monumentos, correndo para o tuk tuk (gente, o calor lá é de rachar), ele já tirava uma garrafa de água hiper gelada do isopor para gente, e ai, nossa senhora dos verões, fazia toda a diferença. Pagamos 15 dólares pelo dia do Chea, e ao final, demos uma gorjeta boa pelo excelente trabalho. 

 

No parque há dezenas de restaurantes, barraquinhas de comida e vendedores ambulantes, uma boa pedida é se refrescar com água de coco durante os passeios entre um templo e outro.

 

 Como se vestir: 

 

Então, já falei que faz muito calor lá?! Tipo, sério, mesmo, de verdade. Então, para não passar perrengue as dicas são: Use uma roupa fresca, tênis confortável (não recomendo sandália porque é um parque, terra, templos, anda muito e tudo mais) protetor solar, chapéu ou boné e óculos de sol são imprescindíveis!

Importante: você pode passear de shorts pelo parque sem problemas, mas não pode entrar nos templos com as pernas de fora, nem com os ombros descobertos. Eu acabei indo de jardineira, porque estava um calor miserável e uma pashimina na bolsa, que funcionou bem! Mas aí vai uma dica boa e melhor do que eu fiz: leve uma saia mais longa, que você possa usar e tirar sempre que precisar, em cima do short mesmo! Em muitos lugares, as meninas levam uma pashimina, e fazem de saia, mas também tem muitos templos que não aceitam dessa forma. Então, use a dica da saia longa que falei acima! ;) Para os homens, bermuda abaixo do joelho e camisas com mangas já bastam. 

 

 

 

 

    © 2016 Diz que fui por aí - Luísa e Marcelo Colombo - Todos os direitos reservados

Please reload

+Histórias
Please reload

Nossas Categorias
Please reload

inscreva-se na nossa newsletter

Não quer perder nenhuma dica? Então inscreva-se na nossa newsletter!

Ah, nós também odiamos spam.